quarta-feira, 1 de agosto de 2012

Abandono de produtos como forma de anticonsumo

Os estudos publicados no campo de cultura e consumo nos reportam fenômenos de consumo e procuram analisá-los em inúmeros eixos temáticos, desdobramentos teóricos e situações empíricas. Em geral, tais estudos abordam o processo de aproximação, aquisição, posse, uso e incorporação de objetos materiais. São pouco frequentes, ou até mesmo raros, estudos, dentro do próprio campo, que tratam de abandono de produtos ou anticonsumo. Publicado recentemente, o artigo “Motivações e significados do abandono de categoria: aprendizado a partir da investigação com ex-fumantes e ex-proprietários de automóveis” (Cadernos EBAPE.BR, v.10, n. 2, p. 411-434, 2012), de autoria de Maribel Suarez, Marie Agnes Chauvel e Letícia Casotti, de algum modo procura preencher essa lacuna. Tomando como referência para análise duas categorias de produtos, automóvel e cigarro, o artigo destaca e diferencia três tipos de abandonos: o abandono contingencial, o posicional e o ideológico. Trata-se de uma ótima contribuição no sentido de melhor entendermos como o anticonsumo pode ocorrer por meio do processo de abandono de produtos.
 
 
Marie Agnes Chauvel
 
 
Uma das autoras do artigo, a Professora Marie Agnes Chauvel, deixou-nos no último mês de julho. Francesa radicada no Brasil desde jovem, Marie realizou sua formação acadêmica em nosso país. Trabalhou como assistente e analista na área de administração em empresas brasileiras e foi professora e pesquisadora de instituições como a UFRJ, o IBMEC, a Universidade Estácio de Sá, o ISAE/FGV, a PUC-RJ e a Universidade Federal de São João Del-Rei. Escreveu vários artigos e orientou dezenas de trabalhos acadêmicos. Marie era uma referência em estudos sobre consumo no Brasil e sua ausência será sentida.

Esse post compõe uma série chamada "Olhar Acadêmico". Trata-se de observações sobre trabalhos na forma de artigos, dissertações, teses ou livros relacionados direta ou indiretamente ao campo de cultura e consumo.

4 comentários:

  1. Prezado Francisco,

    Obrigada pela homenagem a Marie. Ela foi minha orientadora e assim tive o privilégio de compartilhar do seu conhecimento, talento como pesquisadora, integridade e generosidade. Sinto me muito grata por essa convivência e tenho certeza que partilho esse mesmo sentimento com todos os alunos e amigos que conviveram com ela.

    Maribel Suarez

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Maribel!

      Obrigado pela visita e pelos comentários!

      Excluir
  2. O artigo nos faz refletir sobre outras formas de posicionar-se diante do consumo. Frente à tantos apelos comerciais e sociais ao consumo, vejo o texto como um alento para aqueles que se posicionam contrários ao consumo desnecessário, consumindo conscientemente.
    Penso que a reflexão sobre o que consumimos melhoraria diversos aspectos de nossas vidas, sobretudo os relacionados à alimentação que impactam diretamente em nossa saúde.

    O tema lembrou-me da música de Chico César “coisas, são só coisas, servem só pra tropeçar, têm seu brilho no começo mas se viro pelo avesso são fardos para carregar”.
    .................
    O ser docente se vai e felizmente deixa seu rico legado, cujos ensinamentos se multiplicam e se renovam.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Liciane,

      Obrigado pela visita. Bela passagem da música do Chico César. Um poema e tanto!

      Isso que você falou sobre o trabalho docente é, de fato, algo que esperamos que aconteça em uma escolha de vida como ser docente.

      Excluir